domingo, 17 de junho de 2007

Vencedor do Grande Desafio, domingo, dá nome a asteróide

O título desta postagem é uma manchete do portal da Unicamp, de 15/06/2007.

A chamada na página inicial nos esclarece um pouco aquela estranha manchete:

"Estudantes do ensino fundamental e médio mostram neste domingo, das 9 às 17h30, no Ginásio Multidisciplinar da Unicamp, os trabalhos que produziram para o Grande Desafio. O vencedor do evento organizado pelo Museu Exploratório de Ciências dá nome a um asteróide."

Para ler a matéria inteira, clique aqui, ou melhor, aqui.

Muito engraçada a manchete e a chamada. Um asteróide foi descoberto, e o garoto ou a garota que vencer o tal Grande Desafio na Unicamp tem o direito de dar um nome a essa coisa celeste. Uma "brincadeirinha", uma "gincaninha" (desculpem-me, é um Grande Desafio) vai servir para nomear um asteróide. Mas, quantos e quantos asteróides não foram nomeados "do nada" por vários cientistas? Pode-se dizer que eles tenham mais autoridade; mas o ato de nomeação feito por eles é tão casual quanto o desta gincana. O fato é que atribuímos às palavras uma relação necessária (no sentido filosófico) com as coisas. "É óbvio que mesa é mesa". Como se, inclusive, o nome fosse sempiterno; lembremos que "mesa" vem do latim "mensa" (mas isso já é uma outra história).

O exemplo daquela nomeação de asteróide parece servir para questionar a ilusão da relação de necessariedade nome-coisa.

Lembrei-me do livro de Foucault, "As palavras e as coisas". Ou mesmo do velho Saussure no "Curso de Lingüística Geral". De fato, parece-me haver total arbitrariedade entre significante e significado; isto é, a junção entre significante e significado (ou, em termos mais chulos, som e sentido) seria casual. Do que decorre que um nome seria arbitrariamente atribuído a alguma coisa.

Se eu ganhasse esse Grande Desafio, poderia dar ao asteróide o nome de Mazzaroppi ou de Mesa, ou de KLB. Não sei se aceitariam, pois poderiam tentar restringir minha arbitrariedade: "por que não o nome de um ciclope da mitologia grega?", diriam-me. Mas, os nomes desses ciclopes, ao serem dados pelos gregos de então, também seriam arbitrários, ou se relacionavam a outra coisa naquela Grécia (da mesma forma, arbitrariamente). Ora, ainda assim há arbitrariedade, porque, mesmo minha escolha sendo motivada pela mitologia, poderia sempre ser uma outra.

A famosa passagem de Mallarmé parece-nos calhar: "Un coup de dés jamais n'abolira le hasard" (Um lance de dados jamais abolirá o acaso).

Pressupomos que haja uma convenção internacional que valide a escolha do nome daquele asteróide. E pressupomos que os organizadores do Grande Desafio (do "Museu Exploratório") descobriram ou têm relação com quem descobriu o tal bicho, para que tenham o direito de deixar alguém nomeá-lo. Podemos até entender, pela manchete e pela chamada, que o nome do(a) vencedor(a) será o próprio nome (próprio) do asteróide (o que ainda seria algo arbitrário): "A vencedora é a Marília; então, o asteróide passa a se chamar Marília" (ou "passa a ser chamado de Marília"). Não há nada na manchete e na chamada que desautorize essa leitura; somos nós leitores que implicitamos não deva ser assim. Seguindo em frente: pensamos que, por estar no portal da Unicamp, isso não seja um trote (ops). Uma vez nomeado, todos os astrônomos e todos os que venham a falar desse asteróide terão que chamá-lo de X. Mesmo assim, mesmo nesse caso em que há uma institucionalização do nome (um batismo), pode ser que ele demore a pegar. O nome é algo que demora; demora a pegar e pode demorar a largar.

E. Guimarães, do ponto de vista de sua semântica enunciativa, dirá, a respeito dessas nomeações, que elas possuem um passado, um presente e um futuro. Exemplo: os pais resolvem batizar o filho de "José"; há um passado bíblico-católico (mesmo se os pais forem protestantes, diga-se), uma memória que pode estar dando um sentido a essa nomeação; há um presente, por exemplo quando o pai diz ao escrivão o nome do filho; e há um futuro, pois toda vez que alguém se referir àquele ser, o chamará de "José" (e posteriormente poderão lhe dar um apelido). Esse exemplo da nomeação (nomes próprios) pode de certa forma ser extendido a qualquer nomeação ou até mesmo às referenciações. Podemos ressignificar algo usando seu velho e bom nome, mas podemos fazer isso com um nome novo ou diferente; o velho exemplo de chamar "ocupação" o que outros chamam de "invasão", ou vice-versa. Ou seja, uma mesma coisa pode ter dois ou mais nomes. E, também, um mesmo nome pode ser atribuído a coisas diferentes.

O foco, desta posição e da posição discursiva, é, então, outro: tudo bem que o signo e a nomeação sejam arbitrários, mas o que é relevante em termos lingüísticos é procurar sua justificativa na materialidade histórica, na memória discursiva, nas condições de produção daquela nomeação; não se trata de uma relação mecânica, é claro, mas como possibilidade (no exemplo, a possibilidade daquele menino, nascido daquela família, ser chamado "José" está, por razões discursivas, mais dada do que a de ele ser chamado Mohammed). Interessante pensarmos que dizer "Eu me chamo X" pode ser parte do que a Análise do Discurso chama de ilusão do sujeito; esconde que "Eu fui chamado X", "Eu sou chamado X".

Benveniste (Problemas de lingüística geral), tomando outro foco, vai dizer que significante + significado, uma vez constituídos em signo, formam um todo não-arbitrário, podendo ser arbitrária a relação desse todo com um referente (algo do mundo). Ou seja, o signo não é arbitrário; a relação ente signo e referente pode sê-lo. Assim, o significante "rosa" tem como significado invariavelmente e necessariamente aquele tipo de flor (esse semi-referente embutido no significado é necessário, obrigatório); e, num segundo momento, esse signo "rosa" (significante + significado) pode designar outra coisa ("qualquer ser que tenha por atributo a beleza", por exemplo, como na frase "Maria é uma rosa"), pode se referir a algo diferente no mundo, em um uso idiossincrático, metafórico, que é posto sempre em relação ao significado literal.

Posição mais complicada parece ser a de Jakobson. A relação entre significado e significante não seria totalmente arbitrária; poder-se-ia encontrar na imagem fônica da palavra (significante) algo que tem a ver com o que a palavra denota (seu significado). Poderiam ser exemplos em português: "pico" tem uma sonoridade breve e ríspida (porque designa algo no mundo que é íngreme), ao passo que "montanha" é uma palavra maior e não tão ríspida (porque designa algo no mundo que é mais extenso e menos íngreme que "pico"). Poderíamos, então, comparar palavras aos pares e ver que elas estão nas coisas, ou as coisas nelas. Penso que isso pode até servir à composição poética; mas, não serve para explicar a língua. Poderíamos citar uma série de palavras em que a não-arbitrariedade de Jakobson não é encontrada (a palavra "montanha" poderia ser considerada uma palavra plana); ou poderíamos forçar a barra para a encontrarmos sempre (o "t" dá idéia de relevo e "mon" e "anha" dão idéia de acúmulo). Mesmo as onomatopéias não são dados empíricos; um russo talvez não ouça um bem-te-vi dizer "bem-te-vi". E não há nada no canto desse bicho que nos obrigue a chamá-lo assim; não chamamos um pato de "quá-quá", se é que pato diz (ou melhor, faz) "quá-quá".

8 comentários:

  1. Muito interessantes os textos! Valeu

    ResponderExcluir
  2. Cool blog,good stuff you have it on here do publish more often

    keep in touch and keep the good work going will be back soon.

    Warm Regards

    Biby Cletus

    ResponderExcluir
  3. isso aí em cima mais parece um span genérico...

    ResponderExcluir
  4. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  5. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  6. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  7. Apenas para atualizar.

    Existe uma comissão que registra e normatiza a nomeação dos astros celestes. O direito de dar um nome a um asteróide, ou outros corpos celestes, é da pessoa que o descobre. Existem restrições, entre outras a de não fazer propaganda ou auto-promoção (a Marília não poderia chamá-lo de Marília). No caso em questão, a equipe decidiu chamar o asteróide de "Ourinhos", nome de sua cidade.
    Foram recebidos com "sessâo solene" na Câmara dos Vereadores local.

    Este ano tem mais um Grande Desafio, é depois de amanhã, mas nada de asteróide.

    ResponderExcluir
  8. Olá, mfirer...

    Muito obrigado pela visita e pela importante atualização.

    De fato, não entendo muito de asteróides.

    Espero que você tenha entendido o teor do texto, sem ressentimentos.

    Diga aí, qual será o Grande Desafio desse ano?

    abraços

    ResponderExcluir